cinemateca paraense

A Amazônia e a Segunda Guerra Mundial na Sala de Cinema

SALA 02

Exibição do documentário “Por terra, céu & mar” e bate-papo com os realizadores.

Nenhum acontecimento histórico foi tão documentado e filmado, em todos os formatos, quanto a Segunda Guerra Mundial. São milhares de filmes e imagens que abordam o conflito, o maior acontecimento bélico da história da humanidade, com milhões de mortos em batalhas na Europa, África, Ásia e Oceania. Predominantemente os filmes são sobre a participação Norte Americana e Britânica, pois a história sempre é contada pelos vitoriosos. Um fato pouco difundido é que muitos brasileiros também foram lutar na Grande Guerra, com a Força Expedicionária Brasileira, e entre eles muitos Amazônidas, inclusive paraenses.

O impacto de ter participado da Guerra na longevidade foi o problema principal da pesquisa de mestrado em Saúde, Sociedade em Endemias na Amazônia da UFPA, orientada pelo Prof. Dr. Hilton P. Silva, realizador do filme e autor do livro junto com Elton Sousa, Murilo Teixeira e Samuel Mendonça. Ele diz “Elton, na ocasião, estava em busca de um tema para sua dissertação, e como ele é professor de educação física e também um aficionado pela Segunda Guerra Mundial, discutimos o assunto à partir de uma reportagem de jornal sobre os Ex-combatentes de Belém. Decidimos, então, conversar com os pracinhas e tentar compreender o porquê deles não quererem mais desfilar, se seria uma questão de saúde, em função da idade avançada, ou se seriam questões sociais ou políticas, envolvendo outros aspectos antropológicos. A dissertação enfocou as questões de saúde, mas percebemos que os pracinhas estavam carentes de reconhecimento e se sentiam desrespeitados em sua história. Daí surgiu a ideia do livro e do filme”

Pracinhas em 2011

O filme e o livro, são importantes documentos históricos para se conhecer os pracinhas paraenses e amazônidas, que atravessaram o oceano Atlântico para lutar uma guerra que muito pouco compreendiam, mas que mudaria os rumos da humanidade. Os realizadores fizeram mais de 18 horas de entrevistas com os ex-combatentes para este importante projeto, que ainda pode gerar desdobramentos futuros e colaborar para o não esquecimento desses bravos homens, que contribuíram na derrota dos Nazistas em solo italiano.

De acordo com o idealizador e curador da Cinemateca Paraense, o Prof. Ms. Ramiro Quaresma (ETDUFPA-ICA-UFPA) o “projeto é uma grande contribuição para a preservação da memória das pessoas simples que fazem coisas grandiosas e que pouca gente conhece, vai além do documentário para se tornar um patrimônio audiovisual”.

O “Sala de Cinema” é uma realização da Cinemateca Paraense, que tem curadoria de Ramiro Quaresma, coordenação museológica de Deyse Marinho, e nesta segunda edição tem o apoio da Revista PZZ e da Editora Paka-Tatu. Na ocasião estarão disponíveis para venda o livro e o DVD.

Image3

Serviço:

Sala de Cinema / Cinemateca Paraense

Filme: “Por Terra, Céu & Mar: histórias e memórias da 2ª Guerra Mundial na Amazônia”, 23 min., Belém-PA, 2013.

Convidados: Prof. Dr. Hilton P. Silva, IFCH-UFPA e Prof. Ms. Elton Sousa (FEF-CUNCAST/UFPA)

Quando: 16 de Setembro, quarta-feira, às 19h.

Onde: Trav. Frutuoso Guimarães, 602. Campina.

Informações: 91 983823559 (Ramiro Quaresma)

Cinemateca Paraense entre os finalistas da 28ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo e Franco/IPHAN

12003284_903620643039546_1525539287179458316_nO site Cinemateca Paraense ficou entre os 57 finalistas, entre 234 inscritos, da 28ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo e Franco/IPHAN, sendo um dos 4 representantes do Estado do Pará, juntamente a ações de Restauração e Conservação Igreja do Carmo, na mesma Categoria I e a Semana do Patrimônio Paraense e Ginga e Resistência na baixada, na Categoria II. O projeto foi indicado por sua importância e relevância como consta na ata da Comissão Nacional do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade que se reuniu os dias 28 e 29 de julho, em Brasília, na Sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), para escolher os oito vencedores. Não fomos premiados, estar entre os mais importantes projetos de patrimônio histórico e cultural do Brasil foi uma grande honra e deu força pra continar nosso trabalho.

Cinemateca Paraense é tema de dissertação de mestrado

defesa raamiro

O idealizador do website Cinemateca Paraense, o professor de novas tecnologias da Escola de Teatro e Dança do Instituto de Ciências da Arte-UFPA, concluiu o mestrado Programa de Pós-graduação em Artes-ICA-UFPA com uma dissertação que analise o projeto de preservação virtual do patrimônio audiovisual do Estado do Pará através de um percurso cartográfico das vivências cinematográficas de realizadores paraenses. Vinte e três entrevistas foram realizadas gerando um panorama da cinematografia do Pará de 1960 até os dias de hoje, e uma extensa revisão da filmografia local com cerca de 250 títulos catalogados.  A dissertação obteve conceito excelente e foi orientada pelo Prof. Dr. Joel Cardoso, a banca de avaliação foi composta pela Prof. Dra. Bene Martins e pela Prof. Dra. Rosângela Britto.

Grande parte do conteúdo já se encontra disponível para pesquisa no próprio website e a versão final na biblioteca do PPGArtes. Abaixo a versão estendida do vídeo que foi apresentado na defesa, que aconteceu na sede do Instituto de Ciências da Arte no dia 16 de Junho de 2015, que percorre em imagens 50 anos do cinema no Pará.

Filme do mês // Mai.2015 – Bom dia / Nanna Reis

Bom dia / Videoclip de Nanna Reis.

Belém, 2015. 4 min.

maxresdefaultDireção: Lucas Escócio e Gareth Jones; Produção: Sandro Santarém, Paulo Afonso, Alfredo Reis; Produtora: Alt Produções; Animação: Gustavo Estrada; Ilustração: Yuri Santos; Elenco: Nanna Reias, Mestre Damasceno, Maria Eduarda Begot; Make up: Amanda Pris; Figurino: Jhonatan Camêlo; Filmado em Salvaterra e Soure (Ilha do Marajó / Pará / Brasil).

 

Filme do mês // Fev.2015 – Sobre distâncias e incômodos e alguma tristeza

Sobre distâncias e incômodos e alguma tristeza

Belém, 2009. 6 min.

Direção, fotografia, som e edição: Alberto Bitar

O deixar para trás de um sítio impregnado de lembranças, sonhos, desejos, segredos ditos em sussurros, revelados aos gritos ou outros que continuam segredos, o abandono de um lugar onde a coleção de determinados objetos faz sentido e onde a arrumação e a escolha destes, apesar de alguma alteração, guardam o gosto e a memória de pessoas que já não estão presentes – saíram da cena antes.
Captura de tela 2015-02-05 11.28.21Que atores virão? Que novos sentimentos se somarão aos que já carregam essas paredes? Talvez de mesma natureza, talvez outros. Que camadas serão alteradas no chão? Que luzes preencherão esse vão? Em que retinas tantas imagens escreverão? Quantas imagens? Especulações.
A certeza que tenho é que levo também impregnadas em mim todas essas sensações, essas lembranças – mesmo que muitas adormecidas – e que torço consiga transmitir para os próximos cenários as mesmas boas impressões e que me sinta em casa.
Saudades desse teatro e da paisagem que o envolve.
Além de contribuir com essas minhas recordações, este filme tem a finalidade de ser um tributo a todos esses momentos vividos e a todas as pessoas que compartilharam por qualquer tempo que tenha durado, esse ambiente.

Alberto Bitar

alberto bitarAlberto Bitar nasceu em 1970, vive e trabalha em Belém (PA). Formado em Administração pela Unama (Belém). Iniciou sua trajetória como fotógrafo em 1991, reunindo exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior, dentre as quais: 30ª Bienal de Arte de São Paulo (2012); 32º Panorama da Arte Brasileira, MAM/SP (São Paulo, 2011); Rumos Artes Visuais, Instituto Itaú Cultural (São Paulo, 2008/2009); Densidentidad, IVAM (Valência, 2006); Une certaine Amazonie, Salon du Livre et de la Presse Jeunesse (Paris, 2005); e Brasiliana – Fotógrafos da Fotoativa (Porto, 2000). Ganhou, em duas ocasiões, o Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia (2012 e 2010); em sete, o Salão Arte Pará (Belém, 1997–2011), entre outros. Possui obras em diversos acervos, como na Fundação Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro), no MAM/BA [Salvador], na Coleção Pirelli/MASP de Fotografia, no MAC/USP e no MAM/SP, na Coleção FNAC Brasil, no MACRS e no MARGS [Porto Alegre]. (Fonte: Kamara Kó)

FILME DO MÊS // JAN.2015 – CURIUA-CATU

CURIUA-CATU A Grande Expedição de Pedro Teixeira

2000, Lisboa, Portugal – Belém, PA

Captura de tela 2015-01-19 14.24.32

Direção : Carlos Barreto
Roteiro: Felipe Homem Fonseca
Fotografia: Paulo Rosa
Produção: Inês Broges, Afonso Gallindo
Montagem: Lina Lourenço, Brigitte Luís
Som: Carlos Ferreira
Direção de Arte: Charles Rael, Jorge Cunha
Música original: Dulce Pontes

Cor: Colorido, Formato: 35mm, Duração: 12 Min

Elenco: Amilcar Cabral, Aberto Solva, Paulo Santana

Depoimentos: João de Jesus Paes Loureiro, Paulo Chaves Fernandes, Geraldo Mártires Coelho

Sinopse: a saga do navegador português Pedro Teixeira que, em 1637, saiu de Cametá no Pará para subir o rio Amazonas a remos até chegar em Iquitos no Peru.

Comentários: Coprodução Brasil-Portugal.

Workshop CINEMATECA PARAENSE: ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA AUDIOVISUAL NA WEB

Flyer Workshop Cinemateca W

 

Workshop CINEMATECA PARAENSE: ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA AUDIOVISUAL NA WEB

 

Resumo: o workshop tem como objetivo difundir as ações do site Cinemateca Paraense, que há 06 anos contribui pra difusão da conservação e salvaguarda de material audiovisual, patrimônio fílmico, documentação, informações textuais (ficha técnica, sinopses, argumentos, roteiros), suportes analógicos e digitais, plataformas audiviosuais na web, wordpress e mídias sociais. Uma imersão no cinema e suas novas formas de manifestação e distribuição do cinema e do audiovisual e as estratégias de preservação da memória audiovisual do estado do Pará em plataforma colaborativa e interativa.
MInistrante: Ramiro Quaresma

Currículo do Ministrante: Docente de Novas Tecnologias – Instituto de Ciências da Arte/UFPA. Mestrando em Artes, PPGARTES-ICA-UFPA, possui graduação em Comunicação Social – hab. Publicidade e Propaganda pela Universidade da Amazônia (1999). Pesquisa arte e tecnologia e suas aplicações em artes visuais e preservação do patrimônio audiovisual. É curador independente/ pesquisador de artes visuais/artemídia e cinema. Idealizou os blogs Xumucuís e Cinemateca Paraense. Contemplado em 2014 no programa Rede Artes Visuais Funarte 10° Edição e em 2013 no Conexões Artes Visuais MINC-Funarte. Idealizou e realizou o I (Oi Futuro), II (Conexão MINC/Funarte/Petrobras) e III (Oi Futuro) Salão Xumucuis de Arte Digital, a exposição Panorama da Arte Digital no Pará (Prêmio Banco da Amazônia de Artes Visuais – 2012) e o projeto “Cinema no Pará:História e Memória” (Edital Projetos Culturais Banco da Amazônia – 2012). Ministrou em 2012 e 2013 a oficina “Blogs Criativos e Interfaces com Mídias Sociais” na Fundação Curro Velho. Entre 2002 e 2008 trabalhou como coordenador multimídia, projetos culturais e design gráfico para o Sistema Integrado de Museus da SECULT-PA para o Museu da Imagem e do Som, Museu do Estado do Pará e Espaço Cultural Casa das Onze Janelas.

 

Período: 07 a 10 de Julho de 2014

Horário: 19 às 21h

 

10 participantes

 

Inscrições via link: http://goo.gl/4MwHMF

Sem taxa de inscrição, com certificado para os participantes com 75% de frequência.

Realização: LabLivre, UFPA 2.0 e Cinemateca Paraense

 

Filme do Mês [DEZ/2013] // Japan Pop Show

Com atraso postamos nosso filme do mês, um videoclipe na verdade, que pra nós da equipe do Cinemateca Paraense é a mais bem realizada produção audiovisual paraense. Fotografia e edição primorosa, roteiro bem tramado e muitíssimo bem produzido. É uma produção da Greenvision, produtora responsável por uma série de videoclipes que você pode ver na nova sessão do site.

Produtora: Greenvision Films
Produtora Executiva: Priscilla Brasil
Diretores: Priscilla Brasil/ Gustavo Godinho/ Vladimir Cunha
Edição: Priscilla Brasil
Dir. de Fotografia: Gustavo Godinho
Diretores de Produção: Lívia Condurú, Paulo Afonso Martins
Assistente de Camera/ foquista: Brunno Regis
Figurino: André e Bia Morbach
Assistentes de producao: Luana Klautau, Murilo Coutinho, Paloma Brasil
Eletricista: Aldo Lima
Maquinária: Anderson Conte (Miguel) e Anderson Bigurilha
Maquiagem: Sonia (Sonhão) e Roberta Gurjão
Making of: Rafael Guedes
Elenco: Alessandra Malcher, Jimmy Night, Olivar Batista e Bina Jares.

III Festival de Cinema de Santa Izabel

santa izabel

 

Nos dias 12 e 13 de Dezembro, a Prefeitura de Santa Izabel do Pará e o Cineclube Palace estarão realizando o III Festival de Cinema de Santa Izabel do Pará com o objetivo estimular o desenvolvimento e a produção audiovisual, exibir, discutir e valorizar a produção regional de curtas-metragens, bem como difundir o cinema independente e integrar cidadãos.

SERVIÇO:

Data: 12 e 13 de dezembro

Horário: 18:00

Local: Clube Thália, Centro, Santa Izabel do Pará

Entrada Franca

 

PROGRAMAÇÃO

Dia 12/12

• Abertura

• Mesa redonda com o tema “Os desafios da produção audiovisual independente”

com participação dos realizadores paraenses Adriano Barroso, Arnaldo Campos

e Fernando Segtowick.

Dia 13/12

• Exibição de curtas da região

• Premiação

 

Informações:

Emanuel Sodré

Fone: (91) 8709 7513

E-mail: emanuelunderline@gmail.com

Mouse Ribeiro

Fone: (91) 8717 9560

E-mail: mouse.ribeiro@hotmail.com