CAMISA DE ONZE VARAS

 

Camisa de Onze Varas (Brasil, 2010, Doc, 52’,

De Walério Duarte


Sinopse: Originalmente intitulado Profissão: Escravo, o documentário Camisa de Onze Varas refaz a trajetória de 12 homens que foram recrutados em 1974 por um “gato”, para trabalhar em uma fazenda no interior do Pará. Esses homens foram escravizados, e para fugir dessa condição enfrentaram uma longa jornada pela selva paraense. Os que conseguiram sobreviver ao caminho de volta recontam sua história que, nesse documentário, é reencenada por jovens moradores da região.

camisa-1Em 1974, um acontecimento abalou profundamente os moradores de São João da Ponta, pequeno município do estado do Pará. Em uma repetição constante do que até hoje acontece na Amazônia, jovens são recrutados para trabalhar em município distante, na derrubada da mata para formação de pasto ou na extração de madeira, por um “gato”, intermediador na contratação de “peões” para trabalhos pesados em fazendas e madeireiras. Como também acontece até hoje, os contratados foram submetidos a trabalho escravo, vigiados por pistoleiros dia e noite, recebendo apenas comida. Não suportando a situação, 16 trabalhadores de São João da Ponta fogem pela mata numa trágica aventura, onde quatro deles morrem e outros retornam física e mentalmente doentes à sua cidade.
Durante anos, a história seria contatada de pai para filho em São João da Ponta. Há até mesmo registros por escrito, a partir de depoimentos de sobreviventes, para que não se perdesse com o tempo.
A memória desses acontecimentos é o tema do documentário “Camisa de Onze Varas”. Como a memória dos vencidos sobrevive sempre em fragmentos, como bem disse Walter Benjamim, seria preciso reunir tais fragmentos a partir dos depoimentos dos sobreviventes, de seus familiares, amigos e descendentes. E, como não havia registro de imagens e sons, seria necessário encontrar uma estratégia narrativa para recontar esta saga.
A solução encontrada é extremamente inventiva para reconstituir essa história no filme, cujo título é uma expressão antiga que corresponde à “entrar num beco sem saída”.
O autor, depois de registrar o depoimento dos sobreviventes, convoca, através de cartazes e rádios-cipós, jovens que pudessem reconstituir a história contada por aqueles. O próprio teste de elenco também é registrado. Mas, o que o diretor utiliza para compor a narrativa, e que é uma das maiores virtudes do filme, é a reconstituição da história com os atores co-dirigidos pelos próprios sobreviventes que a vivenciaram. São seqüências de impacto, que emocionam aqueles que rememoram a ação e impressionam os espectadores. Uma narrativa da resistência humana à fome, à chuva, aos animais selvagens, às doenças, à morte dos companheiros.
Em paralelo, o filme documenta a realidade da pequena São João da Ponta, sua paisagem física e humana, que é também a de grande parte da Amazônia. Percebe-se que o município pouco mudou: as paisagens de matas, rios e igarapés; a quietude da pequena cidade onde todos se conhecem; o jeito simples da população, na transparência da emoção que aflora em rostos e expressões, ao rememorarem fatos dolorosos, e na conformação com aquilo que acreditam ser o destino; os afazeres de homens e mulheres em seu cotidiano de cultivo de roças, da pequena pesca artesanal.
O filme é também, em última instância, uma oportunidade para reunir novamente os sobreviventes para falar de sua própria história, o que evitavam antes fazer. Um esforço coletivo de registrar para a posteridade e, no dizer de alguns personagens, revelar para o Brasil uma situação desumana que ainda persiste na Amazônia. Um esforço para perpetuar na memória a saga heróica dos “16 de São João da Ponta”.

 

Sobre o realizador

Walerio Duarte é Diretor de vídeo na produtora Fábrica de Imagens, onde realizou diversos documentários de bairros para a Prefeitura de Ananindeua, PA. Diretor e roteirista de curtas-metragens, com destaque para “Açaí com Jabá – O filme que bate na fraqueza”, exibido e premiado em diversos festivais nacionais, e “A Canção de Elanor”, premiado no concurso “Prêmio Mis de Estímulo à Realização de Curta-Metragem – 2008′ da Secretaria de Cultura do Estado do Pará.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s