Líbero Luxardo

“Aruanã” (1938) de Líbero Luxardo – Ciclo Mato-grossense

Filme raríssimo do cineasta Líbero Luxardo, produzido pela Cinédia e realizado no Mato-Grosso em 1938. Antes de chegar no Pará o cineasta paulista já havia realizado três filmes de longa-metragem em seu ciclo Mato-grossense, “Alma do Brasil” (1932), “Caçando Feras” (1936) e este “Aruanã” (1938). É curioso o estilo semi-documental imposto por Luxardo aos seus filmes, sempre nos prólogos. Esse “Aruanã” tem grandes semelhanças estéticas com “Marajó: barreira do mar” (1966), as tomadas de paisagem, a estória do pesquisador/explorador em terras estranhas, o romance água-com-açúcar de fundo. “Aruanã” se encontra no acervo do Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio e não sei quem foi o cinéfilo que postou esse filme no Youtube que era inédito pra nós da Cinemateca Paraense, caso ele tire do ar já baixamos tudo, uma obra importante como essa não pode nem vai ficar presa dentro de um arquivo, deve ser  pública. Boa sessão.

A quinta parte está neste link, clique aqui. (a incorporação está bloqueada)

“Onde está o busílis?” retrospectiva dos filmes de Líbero Luxardo – Revista Espaço

Artigo publicado na revista paraense Espaço, magazine editado nos anos 1970 cujo editor-chefe era Líbero Luxardo. Neste artigo, que não é assinado mas suponho ser do próprio editor, um retrospecto, com comentários e fotos, dos filmes de Líbero feitos no Pará.

Brutos Inocentes – de Líbero Luxardo

Episódio 1
Curta-metragem / Sonoro / Ficção

Material original
35mm, COR, 24q, Eastmancolor

Data e local de produção
Ano: 1974
País: BR
Cidade: Belém
Estado: PA

Data e local de lançamento
Data: 1974.11.20
Local: Belém; Belém
Pré-lançamento: Belém; Belém

Sinopse

“Na floresta amazônica, o capataz João maltrata os seringueiros, entre os quais Inácio, cuja mulher morrera ao defender de três agressores sua filha Joana, que ficou muda com o trauma. João rapta Joana, mas a justiça prevalece, por fim, recebendo o capataz merecido castigo. Pai e filha se reúnem para um futuro de esperanças.” (Guia de Filmes, 55/56/57)

Gênero

Drama

Dados de produção

Companhia(s) produtora(s): Luxardo Produções Cinematográficas

Produção: Soares, Roberto

Gerente de produção: Soares, Roberto

Companhia(s) distribuidora(s): Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.

Argumento: Luxardo, Líbero

Roteirista: Gonzaga, Geraldo; Luxardo, Líbero

Direção: Luxardo, Líbero

Direção de fotografia: Henze, Roland; Melo, Fernando

Técnico de som: Fonseca, Cesar; Fonseca, Joaquim

Montagem: Luxardo, Líbero

Cenografia: Gonzaga, Geraldo Torres

Locação: Amazônia

Identidades/elenco:

Bulbul, Zózimo
Cravo, Leila
Arena, Rodolfo
Gonzaga, Geraldo
Soares, Roberto

Episódio 2


Curta-metragem / Sonoro / Ficção

Material original
35mm, COR, 24q, Eastmancolor

Data e local de produção
Ano: 1974
País: BR
Cidade: Belém
Estado: PA

Data e local de lançamento
Data: 1974.11.20
Local: Belém; Belém
Pré-lançamento: Belém; Belém

Sinopse

“No litoral paraense, um jovem casal branco vive singelamente, esperando a chegada do primeiro filho. A mulher não atende aos conselhos das amigas do povoado e olha para o eclipse da lua. Resultado: o filho nasce negro como noite sem lua.” (Guia de Filmes, 55/56/57)

Gênero

Drama

Dados de produção

Companhia(s) produtora(s): Luxardo Produções Cinematográficas
Produção: Soares, Roberto
Gerente de produção: Soares, Roberto
Companhia(s) distribuidora(s): Embrafilme – Empresa Brasileira de Filme S.A.
Argumento: Luxardo, Líbero
Roteirista: Gonzaga, Geraldo; Luxardo, Líbero
Direção: Luxardo, Líbero
Direção de fotografia: Henze, Roland; Melo, Fernando
Técnico de som: Fonseca, Cesar; Fonseca, Joaquim
Montagem: Luxardo, Líbero
Cenografia: Gonzaga, Geraldo Torres
Locação: Pará
Identidades/elenco:
Porpino, Zélia
Neves, Fernandes
Oliveira, Iracema de
Barradas, Cláudio
Nauar, Eunith

Fonte: Cinemateca Brasileira